9 e 10 anos

1. Em 2009 e 2010, Portugal teve os dois maiores dé-  ces públicos consecutivos em tempo de paz da sua história. Foi coisa em grande — a dívida pública só naqueles dois anos pulou 21% do PIB, quase quarenta mil milhões de euros. Uma tal hemorragia fez com que, em 2011, o país tivesse quer ser levado ao bloco operatório pelos credores. Como se sabe, uma cirurgia começa por tirar a uma pessoa toda a autonomia, quando a põe a dormir. Depois, o regresso do doente a si, à inteireza de si, não é imediato. Ele está entubado, algaliado, há uma conversa tubular, química, de dentro para fora e de fora para dentro, monitorada, feita de insegurança e dor, dor que é a fala do corpo doente. Depois, com o passar do tempo, os tubos vão sendo tirados, as funções corporais recuperadas, e isso, a retirada de cada tubo, mais do que um alívio, é sentida como uma libertação. Portugal, em 2011, viu o seu corpo invadido por tubos estranhos postos pelos cirurgiões da troika, tubos que têm vindo, ao longo destes negros anos, a ser retirados um a um. Esta semana foi tirado o último: o do procedimento por dé ces excessivos. O país está agora completamente autónomo. Pode escolher o seu caminho. A terceira república já teve três idas ao bloco operatório: em 1977 levou uma transfusão de 1% do PIB; em 1983, transfusão de 2,8%; e, em 2011, foi uma brutalidade: 45,5% do PIB. Haja agora juízo para se evitar a quarta.

2. Manuel Delgado, secretário de estado da saúde, chegou-se junto de Cílio Correia, director do hospital, e disse-lhe na presença das forças vivas da cidade: saiba o meu amigo que, em vez de um centro oncológico em Viseu, vamos ter uma extensão do de Coimbra, saiba o meu amigo que vamos fazer um bunker no hospital de Viseu para dois aceleradores lineares, mas não há dinheiro, saiba o meu amigo que vamos começar por instalar um só acelerador para poupar 30% do dinheiro que não temos. O tão badalado anúncio da radioterapia em Viseu foi este nada.