“A UNESCO, desde que não seja obsessiva, é uma inspiração”