A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Académico de Viseu defronta o Estoril Praia

Edição de 1 de novembro de 2019
02-11-2019
 

J á o povo diz que “quem vai para o mar se avia em terra”. À partida para o jogo frente ao Estoril Praia, o Académico de Viseu sabe de antemão que os duelos entre os dois clubes se guiam pelo equilíbrio. Ambos marcaram 15 golos e, em 15 jogos, há sete vitórias para cada um, sobrando um empate.

A história de jogos entre Estoril Praia e Académico é já muito antiga e começou a ser contada na primeira página de ouro do historial academista: a primeira presença dos viseenses na Primeira Divisão Nacional, corria a época de 1978/79. Nesse ano desportivo, tanto no Estoril, como em Viseu, os costeiros ganharam.

A primeira vitória do Académico frente ao Estoril aconteceu precisamente na segunda presença academista no principal escalão do futebol português. Foi num domingo, a 17 de janeiro de 1982 quando, no Fontelo, o Académico venceu por três bolas a zero. Joel, com dois golos e Flávio com um, decidiram este jogo a favor dos viseenses. O treinador era Fernando Cabrita, um dos homens fortes do futebol português, que partiu em 2014. De 1982 até hoje, o Fontelo só viria a receber jogos entre os dois clubes ou a contar para a antiga Segunda Divisão ou para a atual Segunda Liga.

Os duelos contemporâneos

Atualmente, há três pontos a separar os dois clubes: o Estoril soma 15, o Académico 12. Olhando para os jogos mais recentes, o Académico de Viseu, foi até ao Estoril na época passada vencer por três bolas a uma, naquele que viria a ser um jogo determinante para a manutenção dos viseenses, assegurada só nas últimas rondas do campeonato.

Foi a 5 de maio, ainda deste ano, que N'Sor, já fora do plantel do Académico, Fernando Ferreira e Luisinho marcaram os golos. Era já Rui Borges o líder.

Há ainda outro dado curioso ligado a este jogo. É que foi no encontro da primeira volta da época passada, no Fontelo, que Jonas, que já não integra o plantel do Académico, foi a figura. O guardião tinha jogado um dia antes pela seleção angolana e poucas horas depois foi “convidado” a jogar pelo Académico. Acabou por não evitar a derrota dos viseenses por duas bolas a uma. Este haveria de ser um dos últimos jogos de Manuel Cajuda como treinador do Académico, para o campeonato. Daí em diante, o técnico, em quatro jogos, empatou dois e perdeu outros dois encontros. O Académico chega à praia do Estoril com vindo de uma derrota em casa frente ao FCPorto B por duas bolas a zero.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT