A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Dezasseis equipas de Viseu certificadas como entidades formadoras

Edição de 13 de setembro de 2019
15-09-2019
 

A Associação de Futebol de Viseu (AFV) deu conta que a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) certificou 16 clubes do distrito de Viseu, de um total de 63 inscrições iniciais na Plataforma de Certificação. Das 16 coletividades certificadas, 13 estão ligadas à prática de futebol e as restantes três à prática de futsal. Destaque para o CD Tondela, o Viseu 2001 e “O Pinguinzinho” pelos níveis que lhes foram atribuídos.

O Processo de Certificação começou em janeiro de 2015, com o intuito de elevar os padrões de qualidade do futebol e do futsal portugueses nos clubes que oferecem formação a jovens até aos 19 anos.

Contudo, só na época de 2018/19 é que o projeto foi alargado à totalidade dos clubes portugueses, sendo que nos anos anteriores apenas clubes maioritariamente da primeira e da segunda liga, com exceção para alguns clubes do campeonato português, tinham sido alvos de avaliações por parte da Equipa de Certificação da FPF. As avaliações técnicas aos clubes não profissionais de cada distrito foram, nesta época desportiva, responsabilidade das subcomissões distritais, que acompanharam, de igual modo, as visitas técnicas aos clubes profissionais.

Cada “entidade”, designação atribuída pela FPF a cada clube, após um registo na “plataforma de certificação”, teria de averiguar, de acordo com os “requisitos mínimos de acesso”, a que estatuto é que se poderia candidatar. Os estatutos variam entre “entidade formadora” de cinco, quatro ou três estrelas, Escola de Futebol de uma ou duas estrelas ou ainda Centro Básico de Formação de Futebol (CBFF).

Os requisitos mínimos para se poder candidatar, por exemplo, a Entidade Formadora com 5 estrelas exigem que o clube disponha de: futebol Sénior, uma equipa em cada um dos escalões de Juniores a Infantis, bem como atividade registada nos escalões de Benjamins, Traquinas e Petizes, e ainda apresentar, ou ter apresentado nas três últimas épocas desportivas, pelo menos uma equipa a disputar provas de âmbito nacional.

Mais qualidade

O processo de certificação é, segundo o coordenador técnico regional, Bruno Martins, “um processo inclusivo derivado dos seis níveis possíveis que as equipas podem alcançar.” Para o coordenador técnico, este projeto, novo no âmbito nacional, “vem ajudar ao desenvolvimento do futebol e do futsal, ao trazer mais qualidade para o desporto e uma estrutura mais pensada”.

Bruno Martins avalia, no contexto distrital, o projeto como algo positivo, uma vez que permitiu à AFV observar a realidade profissional, tanto do futebol como do futsal, no acompanhamento das visitas técnicas aos clubes das principais ligas nacionais, assim como permitiu à associação desenvolver uma comunicação mais próxima com os clubes da região. Como nota final, o coordenador técnico adiantou ao Jornal do Centro que no próximo ano o projeto será alargado às equipas femininas.

O ex-presidente do Viseu 2001, Pedro Almeida, salienta, por seu lado, o trabalho desenvolvido pelos técnicos do departamento de futebol, que “tudo têm feito para que o Viseu 2001 acabe por reunir as condições definidas para que esta distinção seja atribuída”.

Já o presidente da assembleia geral do clube “O Pinguinzinho”, Pedro Silva, dá destaque ao reconhecimento da qualidade da formação do clube. “É um sentimento de grande satisfação porque representa o trabalho que toda uma equipa desenvolveu e que decidimos avançar logo desde o primeiro momento”, afirma o presidente.

Para o diretor da formação do CD Tondela, Carlos Simões, esta distinção como Entidade Formadora de quatro estrelas é o culminar do trabalho desenvolvido ao longo de dez anos e impulsionado pelo presidente Gilberto Coimbra. “Havia uma exigência para que a gente chegasse a certo patamar, em que esta certificação veio exigir outros valores e necessidades a nível organizativo, culminando num resultado positivo da parte desportiva e no reconhecimento pelo trabalho na estrutura de formação”, diz.

O Processo de Certificação de Entidades Formadores traduz-se, na prática, num projeto que, segundo Carlos Simões, visa “ajudar a implementar medidas, processos organizativos e de trabalho que melhorem a qualidade da estrutura do clube”. O objetivo é introduzir nos clubes uma maior preocupação e acompanhamento, não só na carreira desportiva dos jovens atletas, mas também nas componentes académica e social, em conjunto com os pais dos jogadores. O diretor da formação do Tondela dá diversos exemplos de como o clube procura criar este envolvimento global nos seus jogadores, assegurando aos pais dos atletas a segurança dos filhos. “Os pais têm garantias em como a nível de treinos e jogos, há uma estrutura criada que dá resposta a situações que surjam com os atletas”.

A nível do envolvimento académico, Carlos Simões explica que “na parte escolar temos tido bons resultados. Quanto aos miúdos do 12º ano, 85 por cento deles pretendem ingressar no ensino universitário”. Exemplo também dado pelo diretor da formação da equipa beirã, é o do acompanhamento médico prestado aos jogadores. “Acho que qualquer pai que tenha um atleta a treinar, seja em que clube for, tem de se sentir bem e tem de sentir segurança para o seu filho. Nós aqui no Tondela, neste momento temos sempre dois fisioterapeutas a assistir aos treinos da formação e aos jogos dos atletas”.

Para além destes três clubes, foram também distinguidos como Centros Básicos de Formação de Futebol a AEFD São Pedro do Sul, a Casa do Povo de Vila Nova de Paiva, o CF “Os Viriatos”, o CD Leomil, o Dínamo Clube da Estação, o Footlafões, o GD Oliveira de Frades, o GD Santacombadense, o SC Tarouca e o Sporting Clube Vale de Açores, assim como o Armamar FC e a Unidos da Estação na modalidade de futsal.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT