A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Rali de Portugal outra vez aqui tão perto

Edição de 1 de fevereiro de 2019
02-02-2019
 

O rali de Portugal, por muitos considerado o melhor do mundo, está de regresso ao Centro do país e este ano com trajetos diferentes. Depois do Algarve, e da zona Norte, um dos maiores espetáculos automobilísticos do mundo estende-se à ao Centro de Portugal. Há 18 anos que não se ouviam os motores nas estradas de Arganil.

Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP), que organiza a prova, não esconde o contentamento com esta nova versão. “Este ano o rali vai ser excecional, pois vamos, finalmente, à zona Centro, que era uma grande ambição do Rally de Portugal há já uma série de anos”, afirma.

O dirigente explica, também, que com a saída do percurso do rali de três concelhos do Norte - Caminha, Viana do Castelo e Ponte de Lima - é possível levar a prova para Góis, Lousã e Arganil. “Estamos muito contentes por poder voltar ao Centro e nos aproximarmos do velho figurino do Rally de Portugal”, diz. Pedro Machado, presidente do Turismo do Centro, enaltece o esforço de todos, explicando que “o rali é um veículo privilegiado para unir o litoral e o interior, uma vez que junta o património mundial com o queijo, o vinho, o mel e tantas das nossas iguarias, transformando este num grande momento de afirmação internacional”.

Com a base de toda a prova a manter-se na Exponor, na cidade do Porto, Pedro Machado garante, no entanto, que “um dos pré-requisitos foi que o rali dormisse pelo menos uma noite na região Centro”. E assim vai acontecer na cidade de Coimbra. “Era muito importante que os 80 carros e os 160 pilotos ficassem por aqui, nos dias 30 e 31 de maio, para que a região pudesse beneficiar desta aventura. As pessoas querem tirar fotos, ver os pilotos, ver os carros”, afirma, explicando que o rali tem de ser um fio condutor para promover ao máximo a região.

Prova de milhões… muitos milhões

Segundo Carlos Barbosa, presidente do ACP, na edição de 2018 o rali de Portugal teve um retorno de 138 milhões de euros e espera que seja superior em 2019.

As marcas

FORD (M-SPORT)
Pilotos: Teemu Suninen, Elfyn Evans, Gus Greensmith, Adrien Formaux, Pontus Tidemand

HYUNDAI
Pilotos: Sébastien Loeb, Thierry Neuville, Stephane Sarrazin, Andreas Mikelsen

CITROËN
Pilotos: Sébastien Ogier, Yoann Bonato, Esapekka Lappi

TOYOTA
Pilotos: Ott Tänak, Kris Meeke, Jari-Mati Latvala

O percurso

O Rally de Portugal 2019 tem um percurso de 1463,55 km, dos quais 311,59 km são disputados ao cronómetro ao longo de 20 especiais de classificação. 91,50 Kms vão ser percorridos na região centro na sexta-feira (31 maio) numa região mítica e histórica da competição.

ARGANIL
SS3 ARGANIL 1- 14,62 Kms / SS3 ARGANIL 2- 14,62 Kms
É dos troços mais míticos do país. Nele, pilotos como Hannu Mikkola e o seu Audi Quatro A2, Marku Allen ao volante de um Fiat 124 Abarth Rally e Ove Andersson com o seu Toyota Corolla Levin foram apenas alguns dos ícones mundiais deste desporto motorizado a percorrê-lo. Com uma distância de quase 57 quilómetros, foi, nos anos 80, considerado o  troço mais longo que alguma vez fez parte do itinerário do Rali de Portugal e está agora de regresso após um “descanso” de 18 anos pronto para dar novamente oportunidade aos adeptos de verem as quatro marcas em competição a percorrer o troço de terra da Serra do Açor a alta velocidade. Os carros partem da Casa do PPD, seguindo pela zona do Sardal, Pai das Donas e Esculca, antes de chegarem à meta que será no Alqueve.

GÓIS
SS2 GÓIS 1- 18,78 Kms / SS2 GÓIS 2- 18,78 Kms
Mais uma passagem que marca um regresso da grande velocidade nos troços da pequena vila da região centro de Portugal. Com uma distância de 18,78 km, vai ser a segunda e a quinta especiais do Rali de Portugal 2019, realizando-se numa versão nova, mas cujos pisos já foram muito utilizados no Mundial de Ralis.

LOUSÃ
SS1 LOUSÃ 1- 12,35 Kms / SS1 LOUSÃ 1- 12,35 Kms
Encarregue da primeira “especial” (special stage-ss) Lousã promete um terreno de 12 kms com muita adrenalina para os condutores e adeptos que esperaram 18 anos para voltar a ver os carros a passar na região.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT