A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Requalificação do Campo de Lamelas é "um sonho antigo"

Edição de 18 de outubro de 2019
19-10-2019
 

Depois de quatro anos a treinar e a jogar longe de casa, o Lamelas tem agora um campo novo, que passa a ser gerido pela Câmara Municipal, e que é usado não só pelo clube da terra como por outras coletividades.

“Nós [o Lamelas] temos o campo às terças, quintas e sextas-feiras, a partir das 20h00. O período anterior é destinado às camadas jovens do Castro”, explicou ao Jornal do Centro Alexandre Teles, da direção do Lamelas.

Também o Parada vai usufruir do campo às quartas-feiras e os veteranos às segundas, sendo que os jogos, realizados aos sábados, vão passar a ser realizados também lá.

A requalificação do campo chega com 10 anos de atraso. “Ainda era vereador do Desporto o atual presidente da Câmara. As promessas foram sempre adiadas, até agora”, adiantou Alexandre Teles, afirmando que um “sonho antigo tornou-se realidade” para benefício de todos. Além da colocação do sintético e da instalação do sistema de rega, também foram feitos melhoramentos nos balneários. Foi igualmente instalado um novo sistema de iluminação do campo.

De há quatro anos para cá que o Lamelas tinha que dividir o campo com o Castro Daire, clube que atua agora no Campeonato de Portugal. “Nós treinávamos entre as oito e as nove e meia da noite e o Castro Daire em diante ou vice-versa”. “Com a subida deles aos nacionais, passámos a treinar às nove e meia da noite”, o que fazia com que os jogadores e staff técnico regressassem a casa já tarde. “Agora o pessoal já vai jantar a horas decentes. Nunca chegávamos antes da meia-noite”, disse a sorrir.

As obras no campo de Lamelas vêm, também, animar quem lá trabalha, diariamente. “O pessoal já andava frustrado. O campo era para nos ser entregue no início da pré-época, no dia 20 de agosto”.

O estádio do Lamelas, em Castro Daire, foi requalificado no âmbito do programa BEM – Beneficiação de Equipamentos Municipais, na sequência de um protocolo assinado entre a autarquia e o Governo. O Estado financiou em 50 por cento a obra, que teve um custo final de 291 mil euros.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT