A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

“Donos” do Tondela querem um clube “muy grande”

Edição de 23 de novembro de 2018
 

Entrevista a David Belenguer e Gilberto Coimbra

Programa completo


23-11-2018
 

Gilberto Coimbra e David Belenguer falaram, em entrevista exclusiva ao Jornal do Centro, do futuro do Tondela. Lado a lado e em pleno relvado do estádio João Cardoso, o presidente e o novo acionista maioritário partilharam os desejos de colocar o clube num patamar “muy grande” mas sem perder a identidade.

GILBERTO COIMBRA, presidente do C.D. Tondela

Há uns meses, assumiu abandonar o clube logo que o acordo da SAD ficasse concluído. Assume agora ficar mais tempo. Deve-se a algum tipo de desconfiança em largar tudo aquilo que fez?

Não. Serve mais para acompanhar tudo o que pretendemos com esta fusão, ou seja, a construção do prometido centro de estágios que vai preencher as necessidades do clube, bem como, fazer a ligação que falta para o grupo, especialmente para a nossa formação. Neste centro de estágios os nossos atletas vão ter as melhores condições de trabalho e é lá que nós poderemos ver quem se destaca e quem tem realmente qualidade para passar à fase seguinte no futebol profissional.

Alguns dos clubes que recentemente assumiram a mesma fusão que o Tondela estão agora em situações complicadas. Olhou para esses clubes antes de tomar a decisão final?

Nunca me preocupei em ver as situações más. Apenas me preocupei em corrigir os nossos problemas. Isso foi feito e daí mereceu a nossa assinatura com este grupo. Nunca nos preocupamos com aquilo que aconteceu negativamente com as fusões dos outros. Vimos apenas os nossos problemas e percebemos que desta forma tudo seria corrigido. Como se costuma dizer, está feito. 

A nível de estrutura com o pessoal vão existir mudanças?

Nenhuma. Uma das nossas preocupações principais com o grupo foi a de manter todo o nosso pessoal. Aliás, se olharmos a nível do futebol profissional, o David e o grupo valorizam muito quem cá está porque, como se costuma dizer, somos poucos, mas somos bons. E isso tem de ser manter.

 

DAVID BELENGUER, acionista maioritário da Tondela SAD

O pessoal do Tondela é “pouco e bom” como diz Gilberto Coimbra?

Sim, são garantidamente muito bons. O Tondela deve ser conhecido em Portugal como um exemplo da sua boa gestão, de ser uma equipa com os pés assentes na terra, de apostar na sustentabilidade e evitar o endividamento. Além disso, é um clube que gosta de cumprir com as promessas que faz e tudo isto nos levou a querer fazer estre acordo. É uma boa estrutura e o melhor que eles possuem são as pessoas que cá trabalham. São um grande ativo do clube. 

O Tondela foi a primeira escolha em Portugal ou pensaram noutros clubes?

Não, o Tondela foi a primeira e única opção por parte do grupo. Olhámos para este projeto com vontade de fazer o Tondela crescer e queremos fazer isso juntamente com todas as pessoas que cá trabalham. Juntos vamos tentar melhorar a cada dia, mas reforço, a seriedade das pessoas deste clube foi o que nos levou, desde início, a querer fazer parte do projeto. 

O objetivo é tornar o clube num grande de Portugal?

O objetivo é crescer aos poucos. Dar passos firmes e sempre em frente. A nossa estratégia passa por dar um passo de cada vez sem nunca esquecer de onde vimos. Não podemos perspetivar que o Tondela vai ser um grande da Europa daqui a três anos, seria fácil para mim dizer isso, mas a verdade é que nem eu acredito nisso. Temos primeiro de reforçar as nossas bases e corrigir tudo o que é preciso para que este projeto fique cada vez mais forte. Crescendo a partir da raiz só tem de correr bem para todos nós.

Os adeptos já vão poder contar com os dois presidentes nos próximos jogos?

Vamos ver, ainda temos muitas questões burocráticas e administrativas a resolver antes. Mas mesmo não estando presente, já partilho do nervosismo e a paixão daquilo que o Tondela faz.

Está a pensar mudar-se para a cidade?

[Risos] Curiosamente, nem sequer tenho casa. Eu ando sempre de um lado para o outro e até costumo dizer que lavo a roupa num sítio e durmo sempre noutro. Este grupo (Hope Group) tem posições em todo o mundo e por isso nós temos de andar constantemente em viagens. Naturalmente que virei muitas vezes cá, mas estamos sempre te assumiram a mesma fusão que em vários sítios.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT