A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Há três décadas nos EUA, mas a escrever e a lançar livros também em português

Edição de 6 de setembro de 2019
08-09-2019
 

Nascida e criada em Vouzela, Ilda Pinto emigrou para os Estados Unidos da América há 33 anos. Mudou-se para o outro lado do Atlântico “para ter uma vida melhor”. “Portugal era na época um país com pouca oferta de trabalho e a que havia era de difícil acesso. Só conseguia entrar na vaga quem possuía conhecimentos dentro. As coisas ainda aconteciam à base de padrinhos”, conta.

Ilda Pinto vive e trabalha no Estado de Nova Jérsia, para onde se mudou em 1986 e onde se encontrava um irmão. Hoje, esta vouzelense é escritora, mas como qualquer outra emigrante foi obrigada a fazer de tudo um pouco nas terras do Tio Sam porque no início não dominava a língua inglesa. Antes de se aventurar no mundo das artes trabalhou como bancária.

Esta emigrante não esquece os primeiros tempos “no desconhecido”, o “arregaçar das mangas” e a luta que teve que travar pelo objetivo que tinha traçado: “uma vida melhor”. “Não foi uma adaptação fácil devido não só aos costumes, mas especialmente pelo idioma. Odiava o que fazia, mas era a melhor alternativa para o momento. Também era verdade que ao início não morria de amores por esta nação, mas com o passar do tempo, o conhecimento, as oportunidades e tudo o que esta grande nação oferece, sem fazer perguntas, aprendi a gostar e hoje posso dizer com todo o orgulho que me sinto americana e amo este país”, afirma.

Na América, nunca se sentiu discriminada, mas não pode dizer o mesmo de Portugal. Dos Estados Unidos garante que gosta “de tudo”. É a terra das oportunidades. “Vim sem nada e em cinco anos comprámos a nossa primeira casa, carro e montámos um negócio. Sempre tive a liberdade de ser o que quisesse, sem me fazerem perguntas ou me fecharem a porta ou até mesmo ter necessidade de uma cunha”, diz.

Ilda visita Portugal todos os anos, uma ou duas vezes. Quando lhe perguntamos se conta voltar de vez responde: “O futuro a Deus pertence, mas a minha intenção é regressar”.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT