A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Um mangualdense na terra dos vikings

Edição de 19 de abril de 2019
21-04-2019
 

Paulo Correia deixou Portugal há 12 anos e meio. Mudou-se para Suécia por amor, já que a então mulher é oriunda do país escandinavo.

Este emigrante natural de Mangualde encontra-se a viver na cidade de Luleå. Quando chegou à terra dos vinkings, começou por trabalhar numa empresa de logística, estudando ao mesmo tempo. A formação que realizou permitiu-lhe arranjar um emprego no estado sueco, onde ainda hoje se encontra. Paulo não esconde que “a mudança não foi fácil”. Partiu em outubro, altura em que “o inverno começa no norte da Suécia” onde habita.

“Temperaturas muito baixas a rondar os 30 graus negativos, mais de um metro de neve, duas horas diárias de luz solar..... Não foi fácil”, diz, acrescentando que também sentiu no início um “choque cultural”. “Portugal e a Suécia tem duas culturas bastantes distintas e isso fez-me de alguma maneira achar o povo sueco muito fechado e pouco comunicativo”, conta, adiantando que o país nórdico sempre o “fascinou”.

Passados 12 anos, Paulo assume que mudou de opinião sobre o país onde agora habita. “A adaptação ao clima está concluída, o conhecimento da cultura sueca absorvido e o país continua-me a fascinar”, afirma.

Sem querer usar a palavra discriminado, Paulo revela que já teve a sensação, “uma ou outra vez de que era emigrante e não sueco”. Na nação escandinava, elogia as paisagens, em especial as montanhas. Destaca a forma “como o país é organizado politicamente” e a forma como está estruturado para fornecer à população tudo aquilo que ela necessita, algo que considera “único”.

“O que menos gosto é sem dúvida uma das comidas típicas “surströmming”, que é um peixe que tem um cheiro e sabor para mim horríveis”, defende.

Sempre que pode este mangualdense regressa às origens. Tal como na maioria dos emigrantes a ideia de voltar a Portugal está sempre presente, mas realça que isso “não é algo que esteja definido” nos seus “pensamentos ou coração”. “Mesmo tendo dupla nacionalidade sou um português orgulhoso do meu país e um mangualdense orgulhoso do desenvolvimento que existe na minha cidade”, conclui.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT