A OUVIR 98.8 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
 
        

PSP está velha em meios e tecnologia

Segurança, PSP,

08-09-2017
 

Os sindicatos profissionais da polícia exigem mais e melhores condições para a esquadra de Viseu que, receiam, pode entrar em rutura. Um mês depois da entrada ao serviço de novos elementos, todos admitem que os meios “não chegam para os gastos”. Segundo Marcelo Silva, do SINAPOL - Sindicato Nacional da Polícia, Viseu precisa de mais 20 agentes. Na sua opinião, o reforço anunciado há três meses não é sufi ciente e se nada for feito “a segurança na cidade vai fi car em causa”.

“O dito reforço traduziu-se em quatro elementos. Se é insufi ciente para com as saídas de agentes que vão passar à situação da pré-reforma no fi nal do ano, imagine-se quanto ao reforço real do Comando até porque dentro em breve alguns vão deixar o serviço para acederem a categoria superior”, alerta. Segundo o dirigente sindical, atualmente já há equipas de trânsito a operarem no mínimo e equipas de intervenção rápida a terem de ser reforçadas com pessoal que está de folga. Uma situação ainda mais urgente, refere, com a necessidade de mais homens para a Feira de S. Mateus e policiamento de jogos.

“Se o Comando não for reforçado a curto prazo com pelo menos 20 elementos é capaz de entrarmos em rutura”, vaticina.

Polícias novos e melhores computadores

Além dos meios humanos, o SINAPOL deixa ainda o alerta para a falta de material, logo a começar pelos computadores. “Há cidadãos que se queixam da demora de participações ou certidões de acidente, existe uma secção fechada por falta destes equipamentos e o parque tecnológico há muito que não é atualizado”, assinala Marcelo Silva.

A urgência em dotar esquadra de melhores meios tecnológicos é também uma reivindicação da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia. O representante em Viseu, José Chaves, lembra que, por exemplo, para se fazer uma escuta é necessário fazer mais de 200 quilómetros. “Hoje grande parte do crime tem a ver com a tecnologia. Nós temos capacidade de fazer prova através dos meios tecnológicos e, por isso, era essencial que a polícia ficasse apetrechada deste material”.
Outra necessidade, segundo o sindicalista, passa pela renovação do efetivo cuja média de idades ronda, atualmente, os 50 anos.

“Nos dias de hoje, e com o tipo de criminalidade a que se assiste, tem de haver polícias mais novos”, lembra.

Os reforços

O Comando Distrital da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Viseu foi reforçado com seis novos agentes, mas na prática a força policial só recebeu quatro porque dois deles já se encontram ao serviço na unidade a “título excecional” por motivos pessoais. Os novos elementos entraram ao serviço no dia 1 de agosto. São polícias que pediram para ser transferidos para Viseu. Tendo em conta que Comando Distrital vai perder em breve pelo menos três polícias que tiveram direito à pré-reforma, segundo um despacho do diretor nacional da PSP, o saldo positivo para Viseu vai ser de apenas um elemento.

Na altura do anúncio feito pelo Ministério da Administração Interna, o comandante da PSP, Vítor Rodrigues, admitiu que gostaria que o reforço tivesse sido maior. “Este reforço provavelmente é o possível e vamos com certeza continuar a desenvolver o nosso trabalhar e a garantir as coisas. Não é por não virem mais elementos que deixaremos de garantir a segurança das populações”, disse.

Relativamente ao parque automóvel, o superintendente Vítor Rodrigues já tinha reconhecido que as viaturas, com uma média de 14 anos e quase 300 mil quilómetros, estavam a chegar a um certo limite em termos de condições de trabalho.

 





  • 2002 - 2017 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT