A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Lamego: Cães com fome e abandonados recolhidos pela GNR

Edição de 5 de abril de 2019
06-04-2019
 

“Trata-se de um local, cujo único princípio é maltratar e explorar animais, diria mesmo que se trata de venda ilegal”. É desta forma que começa a denúncia feita pelo DAP – Denúncia Animal Portugal. A situação que, pode ler-se, “se arrasta há algum tempo e já foi denunciada umas três vezes às autoridades” revela cães acorrentados, desnutridos, sem água e com a possibilidade de estarem doentes.

Aos cães, terá se juntado uma burra que no momento em que o denunciante chegou ao local “estava cheia de sede e não tinha onde beber água”. “O pior”, alertam, são as correntes que surgem, em fila, das paredes, com cerca de 40 centímetros, que mantêm os animais presos, e uma jaula onde estão cães bebés. “Fome, medo e tortura”, são as últimas palavras que se podem ler na denúncia.

Contactada pelo Jornal do Centro, a Câmara Municipal de Lamego “diz que assim que teve conhecimento da situação, em conjunto com o Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR, dirigiu-se ao local e verificou que efetivamente haviam animais em risco”, tendo tomado as medidas “possíveis”. Apesar da sobrelotação do canil, foram retirados seis animais que “estão neste momento a ser tratados”.

“Há várias inconformidades, nomeadamente, a ausência de licença e a falta de condições”, afirmou o vice-presidente da autarquia, António Alves da Silva, adiantando que os animais retirados são os que estavam em pior situação e risco.

Já a GNR, em nota enviada à redação, avança que “identificou um homem de 56 anos pela prática do crime de maus tratos a animais, no concelho de Lamego”, na sequência da visita ao local.

Os militares e o médico veterinário municipal consideraram que os “seis cães adultos não tinham condições de alojamento e salubridade”.

Os animais estão, agora, ao cuidado do canil e os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial de Lamego.

Ainda assim, o DAP não se ficou e contra-ataca. “Não eram só seis cães que lá estavam! O que aconteceu aos restantes? Eram dezenas de animais incluindo bebés... O que lhes aconteceu? Não atirem terra para os olhos. Ele soltou-os, esconde-os, e deixou ficar os mais velhos que já não lhe servem para a caça!?”, escreveram nas redes sociais.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT