A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Ovelhas cumprem tradição em S. Cosmado

Edição de 7 de junho de 2019
09-06-2019
 

Acontece todos os anos no dia 13 de junho, Dia de Santo António. centenas de ovelhas do concelho de Mangualde e arredores percorrem vários quilómetros até à Serra de S. Cosmado, conhecida por monte de Santo António dos Cabaços, às portas da cidade mangualdense, para cumprirem uma tradição, que segundo reza a história, terá começado no século XVII.

Os pastores partiam com os rebanhos da Serra da Estrela e dirigiam-se para a Serra de Montemuro, integrados nos circuitos da transumância, à procura de pastos mais verdes, numa altura em que começava o calor. O monte de Santo António era escolhido pelos pastores para uma paragem no percurso porque, como dizem os mais antigos “encontravam naquele local um sítio para repousar e com muita água para o rebanho”. Com o passar dos tempos, a transumância dos rebanhos deixou de se verificar mas a tradição de subir ao monte com as ovelhas permanece até aos dias de hoje, embora numa vertente mais religiosa e também de lazer.

A romaria

O monte de Santo António dos Cabaços, onde em 1759 foi construída uma capela, tornou-se emblemático a partir do momento em que os pastores começaram a levar os seus rebanhos “engalanados” ao som de chocalhos. Muitas outras pessoas, sem rebanhos, também participam na tradicional romaria que todos os anos acontece no dia 13 de junho. A romaria começa logo de manhã com a chegada dos primeiros rebanhos ao local.

Há uma missa seguida de procissão e bênção dos animais, sendo que ao longo do dia decorre também uma feira de produtos regionais e ligados à agricultura. O ponto alto do dia é o ritual em que os rebanhos, acompanhados pelos respetivos pastores e os cães de guarda, dão três voltas à capela em roda fechada, sempre pelo lado direito. Um ritual que pode demorar cerca de 10 minutos passando a vez a outro rebanho.

Maria de Fátima Rodrigues é uma das pastoras naturais de Tabosa, no concelho de Mangualde, que há três anos começou a participar com o rebanho de raça bordaleira, constituído por 107 ovelhas. Ao Jornal do Centro contou que o dia 13 de junho é uma data em que “os pastores se juntam e mostram o seu rebanho”. O “desfile” acontece depois da missa e ao final da tarde e ao longo do dia os pastores “comem, bebem e convivem uns com os outros”. “ É um dia de festa”, remata.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT