A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Empresas apresentaram preços demasiado altos para requalificar escola secundária

Edição de 2 de agosto de 2019
03-08-2019
 

A Câmara de Moimenta da Beira teve de abrir novo concurso público para a requalificação da Escola Básica e Secundária. O primeiro, lançado no início do ano, foi anulado porque as empresas apresentaram propostas com um valor superior ao que estava estipulado de base. “No primeiro concurso todas as empresas concorreram com um valor superior à base e isso implica que tenha de ser anulado. Agora aumentámos a base e lançámos um novo”, explicou José Eduardo Ferreira, presidente da autarquia. No primeiro concurso concorreram oito empresas.

Segundo o autarca, o problema foi o valor de mercado. “Lançámos as obras com base nas estimativas orçamentais que resultaram do estudo que os projetistas fizeram. Em alguns momentos do mercado as estimativas estão adequadas, em outros, havendo mais oferta de trabalho, as empresas exigem valores superiores”, sublinhou.

Em questão estavam 2 milhões e 200 mil euros, no primeiro concurso, agora o novo foi lançado com o preço base de 2 milhões e 600 mil euros.

A intervenção na Escola justifica-se pela degradação a que os edifícios foram sujeitos ao longo dos cerca de 25 anos de utilização, sem que tenha ocorrido qualquer intervenção de fundo que permitisse suprir as maiores carências naquele estabelecimento de ensino.

“Esta infraestrutura educativa já não corresponde aos atuais padrões necessários a um ensino de qualidade”, salientou ainda o autarca.

A intervenção tem como objetivos tornar o complexo escolar cumpridor das mais recentes exigências curriculares do ensino básico e secundário, permitindo que os edifícios cumpram os atuais regulamentos térmicos, de qualidade ambiental e de eficiência energética, bem como as normas técnicas relativas à acessibilidade de cidadãos com mobilidade condicionada.

As obras envolvem a ampliação e a remodelação de espaços, nomeadamente, na interligação entre todos os blocos, através de novos espaços de circulação, lazer e estar, possibilitando a circulação entre os diversos volumes através de uma única unidade espacial.

Vão ainda ser introduzidas alterações funcionais que resultaram na a lteração da loca lização de alguns dos espaços na unificação de outros e requalificação de toda a área administrativa e de docentes, criando um novo auditório com 113 lugares e uma sala polivalente com palco.

Algumas das salas vão ser requalificadas. Serão construídas cinco novas, ao mesmo tempo que é reformulado todos os acessos aos edifícios, de forma a dar resposta ao acesso a pessoas com mobilidade condicionada.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT