A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Mortágua: "Ainda existe muito trabalho a fazer" na limpeza do mato

Edição de 19 de abril de 2019
20-04-2019
 

As ações de sensibilização para proteger a maior riqueza do concelho de Mortágua, a floresta, ainda não acabaram. As condições climatéricas instáveis com a chegada das chuvas de forma alternada com o sol obrigou as autoridades a medidas excecionais nalguns locais, onde as ervas e o mato voltaram a nascer e a crescer de forma desmesurada e muito mais rápida.

Apesar da determinação legal para a limpeza do mato impor um prazo até 15 de março, o coordenador da Proteção Civil Municipal e comandante dos Bombeiros de Mortágua, Luís Filipe Rodrigues, alerta que “ainda existe muito trabalho a fazer até 31 de maio”.

Após esta data, “é preciso estar atento ao desenvolvimento dos matagais, nas chamadas zonas prioritárias e mais sensíveis à deflagração e propagação dos incêndios florestais”, explica.

Estas ações de prevenção aos fogos florestais têm como alvo as populações e aldeias de maior risco de incêndio e, ainda, onde as “Faixas de Gestão de Combustível” são mais visíveis, principalmente, junto aos aglomerados urbanos e na rede viária.

A limpeza decorre ainda nas freguesias sinalizadas como prioritárias em termos de risco de incêndio, como são os casos de Cercosa, Espinho, Pala e Trezói, até ao final de abril, embora a Proteção Civil Municipal de Mortágua admita que estas intervenções se possam prolongar no tempo até 31 de maio, por se tratarem de áreas densamente florestadas.

Segundo Luís Filipe Rodrigues, “a limpeza atempada e correta dos terrenos, em espaços florestais e agrícolas, constitui uma medida preventiva essencial para a salvaguarda e proteção de pessoas e bens, e como tal, um dever cívico”.

“Entende-se por gestão de combustíveis a redução de material vegetal e lenhoso de modo a evitar a ignição e a dificultar a propagação do fogo na vertical e na horizontal”, sublinhou.

Apesar de já estar em vigor o levantamento de coimas, por parte do SEPNA e dos GIPS da GNR, que podem ser executadas de imediato, o município de Mortágua diz que “vai esgotar todas as possibilidades para os proprietários efetivarem as ações concretas no terreno evitando as coimas e promovendo a defesa e implementação da proteção das pessoas e bens, dando-se assim início a um curto período de carência que tem como data limite o dia 31 de maio”.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT