A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Penalva do Castelo: nascimentos superam óbitos em Germil

Edição de 7 de junho de 2019
08-06-2019
 

Há cerca de 20 anos que a aldeia de Germil, no concelho de Penalva do Castelo, não via a natalidade superar a mortalidade. Uma aldeia onde vivem pouco mais de 400 pessoas, cada nascimento é visto como uma “vitória”.

Os últimos anos, na freguesia, têm sido marcados pelo défice de nascimentos e pelo envelhecimento da população, o que leva a que os óbitos sejam mais frequentes. Segundo a presidente da Junta de freguesia, em 2018 “o resultado foi positivo em termos de natalidade. Nasceram sete crianças e houve cinco óbitos”. Embora estes números possam parecer pequenos, para a freguesia “têm muito simbolismo”, porque como diz Marlene Lopes “toda a região centro, os concelhos vizinhos e as restantes freguesias do concelho registaram um saldo negativo”.

Recuando no tempo, a presidente realça que nos últimos 20 anos a freguesia não registava “este saldo positivo”. A responsável sublinha que tem havido um “saldo negativo e por larga escala”. “Nós costumávamos ter cerca de 10 a 12 óbitos anuais e em termos de nascimentos contávamos com nenhum, um ou dois”, conta a autarca acrescentando que os sete nascimentos, registados no ano passado, dão vida à freguesia tendo em conta que a população não ultrapassa os 427 habitantes.

A presidente salienta que a natalidade tem sido alvo de alguns incentivos por parte da Junta e destaca a taxa de empregabilidade, que considera positiva, que permite “a fixação das pessoas e consequente crescimento familiar e a atração de novas pessoas para a freguesia”, entre outras iniciativas como a implementação de um ATL de verão e férias.

Freguesia tem espaço multiusos

A falta de uma sala para velar as pessoas da aldeia de Germil levou a Junta de Freguesia a construir um espaço para que este ato não tivesse de acontecer, pelo menos aos domingos, durante a missa. Segundo a presidente da Junta de Freguesia, a Igreja estava na posse de um terreno “devoluto” e como não tinha “possibilidades de o recuperar”, o executivo avançou com a respetiva limpeza e construção do Espaço Multiusos José Martins. A obra teve início em 2016 e custou cerca de 125 mil euros contando com o apoio da Câmara Municipal de Penalva do Castelo. A nova estrutura serve não só de Casa Mortuária mas também “é um ponto de encontro de toda a comunidade quer para atividades recreativas e culturais quer seja para eventuais formações com o objetivo de capacitar os nossos cidadãos”, explica Marlene Lopes.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT