A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Penalva do Castelo: "Património está ao abandono"

Edição de 5 de abril de 2019
07-04-2019
 

O PSD de Penalva do Castelo considera que o património histórico do concelho não está a ser preservado. No que diz respeito ao Castro da Paramuna, localizado no alto da Serra de Esmolfe, os social democratas denunciam o facto de “junto ao pano de muralhas ter sido construída uma pista para carros telecomandados” e pretendem saber “quem autorizou a construção dessa pista”.

Em relação ao Mosteiro do Santo Sepulcro, situado na freguesia de Trancozelos, e que segundo o PSD “durante séculos tem sido muito maltratado e alvo de lapidação, encontra-se em estado avançado de ruína, assim como as casas anexas”. Construído na Idade Média, classificado como Monumento de Interesse Público desde 2013, o mosteiro deve, no entender dos social democratas de Penalva do Castelo, ser alvo de obras por parte de uma empresa certificada na conservação e restauro e “devidamente acompanhada” por técnicos da Direção Geral do Património Cultural, com o objetivo de “assegurar a estabilidade da cobertura para evitar que a água se infiltre nas paredes” diminuindo dessa forma o risco de ruína.

A Comissão Política de Secção PPD/PSD refere ainda que o local do Mosteiro do Santo Sepulcro “deve conter sinalização a informar os turistas sobre o seu estado de ruína”. Defendem ainda que a zona envolvente deve ser limpa uma vez que esta “coberta com densa vegetação”.

Sem nunca apontar o dedo a uma entidade específica, o PSD de Penalva do Castelo refere que o património cultural se encontra “completamente ao abandono” e que “não existe uma estratégia para a sua fruição e valorização, assim como para o setor da cultura e para o turismo”.

Município penalvense não se sente responsável pelos espaços

Contactado pelo Jornal do Centro, o presidente da Câmara Municipal de Penalva do Castelo descarta qualquer responsabilidade pelo atual estado de conservação do Castro da Paramuna, no alto da Serra de Esmolfe, por considerar que aquele espaço está sob alçada da Junta de Freguesia.

Quanto ao Mosteiro do Santo Sepulcro, na freguesia de Trancozelos, Francisco Carvalho lembra que se trata de um edifício pertença de particulares e que em 2006 mudou de proprietários sendo que o executivo, nessa altura liderado pelo PSD, “poderia ter exercido direito de opção para o município e não o fez”. O autarca diz que a Câmara Municipal “nada pode fazer” no que diz respeito à sua manutenção, no entanto já fez saber ao atual proprietário que está disposta a celebrar um protocolo “por um período de 20 anos” para usufruto e respetiva manutenção. Uma proposta do executivo camarário que ainda não obteve aceitação por parte da família proprietária do Mosteiro do Santo Sepulcro.

Freguesia de Esmolfe nega construção de pista

O presidente da Junta de Freguesia de Esmolfe desmente a construção de uma “pista para carros telecomandados” junto ao Castro da Paramuna.

Rogério Craveiro contou ao Jornal do Centro que existiu um projeto para a dita pista mas que nunca chegou a ser concretizado. “Apenas houve algumas movimentações de terras e corte de alguns ramos de árvores e nada mais”, garante. O autarca lamenta ainda que a zona envolvente do Castro da Paramuna seja constantemente alvo de vandalismo e admite que a Junta de freguesia não pode andar a reparar as situações e poucos dias depois volte tudo a ser destruído.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT