A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Verbas para a saúde em Santa Comba Dão são insuficientes

Edição de 12 de abril de 2019
13-04-2019
 

Os valores para que a Câmara de Santa Comba Dão recebesse competências na área da saúde são “insuficientes” o que levou o executivo, de maioria socialista, a não aceitar a proposta. O mapa previa uma transferência financeira de cerca de 160 mil euros, uma verba que, segundo o presidente da Câmara, Leonel Gouveia, é “inadmissível”.

“Não há verba prevista para atividades de apoio e vigilância, nem para arranjos exteriores, incluindo jardinagem. Não estão previstos encargos com táxis ou outros meios de deslocação utilizados para a prestação de cuidados de saúde quando se sabe que eles existem. Não há verba prevista para os seguros dos estabelecimentos de saúde o que é inadmissível e inadmissível é também não haver verbas previstas para a manutenção dos sistemas de aquecimento ou ventilação”, exemplificou o autarca.

Também por contabilizar, disse, está o funcionamento da futura unidade de saúde de S. João de Areias que “vai ter custos com limpeza e com pessoal, entre outros que têm de ser contabilizados”.

A transferência de competências na área da saúde esteve em deliberação na última reunião de câmara, onde foi chumbada. Já nas anteriores, a proposta tinha sido apresentada, altura em que os vereadores da oposição, que também votaram contra, chamaram a atenção para o “embuste” que é o atual processo de descentralização. “Esta descentralização da forma como está pensada e imposta aos municípios, não os deixando com margem ou capacidade para a recusar, obriga-os, se nada mudar até lá, a aceitarem até 2021. é, de facto, um embuste”, referiu Inês Matos.

Já Leonel Gouveia frisou, por seu lado, que o processo tem “coisas boas” e outras que precisam de ser melhoradas. “A descentralização não é um projeto acabado, mas em construção. Portanto, um processo que tem, porventura coisas boas, porventura, coisas más, coisas que terão de ser alteradas e que o trabalho de acompanhamento do processo de descentralização vai determinar num ou noutro sentido. Sendo certo que ficará muito aquém das expetativas de muitos de nós, acreditamos que este é o primeiro passo de algo que foi feito pela primeira vez”, salientou.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT