A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

S. Pedro do Sul: PSD condenado a pagar dívida a empresário

Edição de 21 de junho de 2019
23-06-2019
 

O PSD foi condenado pelo Tribunal de S. Pedro do Sul a pagar uma dívida que tinha para com um empresário local e que remontava à campanha das autárquicas de 2017. O partido ficou ainda obrigado pela justiça a pagar juros e as taxas judiciais do processo, tudo no valor de mais de oito mil euros.

O processo remonta às últimas autárquicas e está relacionado com a instalação de cartazes e outdoors de campanha. Como os sociais-democratas não pagaram a conta, uma serralharia, que tinha sido contratada para o efeito, avançou para a barra dos tribunais para reclamar o que era seu.

“O PSD a nível nacional foi condenado a pagar-me a fatura que está em dívida, mas ainda não pagou”, afirma ao Jornal do Centro o empresário José Luís Correia, acrescentando que “a sentença foi clara e justa”. “Foi provado que o trabalho tinha sido feito e que tinha essa dívida, diz.

O serralheiro está satisfeito com a decisão do tribunal, mas não com o PSD que já anunciou que recorreu da sentença. “Eles mandaram uma informação ao meu advogado a dizer que tinham recorrido. É uma pouca vergonha, quando os próprios dirigentes locais do PSD assumem que o trabalho foi feito e mesmo assim não pagam”, defende.

José Luís Correia lamenta que este caso se prolongue na justiça, temendo que só dentro de meio ano possa vir a receber o dinheiro que diz que “faz falta” à sua empresa, que em média fatura 40 mil euros por ano. “É um arrastar do problema”, critica, lembrando não só o valor em dívida, como os gastos que já teve com o advogado e com todo o processo.

O pagamento em atraso já fez com que o empresário, com 24 anos de militância no PSD, decidisse abandonar o partido.

Tal como diz o ditado popular “gato escaldado de água fria tem medo”. José Luís Correia diz que nunca mais vai fazer trabalhos para o PSD ou para outra força política, mas se voltar a prestar serviços a partidos vai impor duas condições: o pagamento adiantado ou “um contrato feito com advogado”. “Nunca mais caio noutra”, sublinha.

Comissão Política ao lado do empresário

O presidente da concelhia do PSD de S. Pedro do Sul, Daniel Martins, também se mostra “satisfeito” com a decisão da justiça neste processo, apesar de o anunciado recurso da direção nacional social-democrata. “O resultado [da sentença] era o esperado na medida em que a empresa fez uma prestação de serviços para o partido e portanto não havia outra alternativa”, afirma o social-democrata, salientando, todavia, que a direção nacional do PSD “está no seu direito” em apresentar recurso.

Na opinião de Daniel Martins, este caso teve que se resolver na justiça porque o partido desconhecia os contornos concretos da situação, acrescentando que os outdoors e estruturas que foram afixadas nas autárquicas em 2017 são propriedade do PSD a nível nacional e não da concelhia.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT