A OUVIR 98.8 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
 
        

CIM Viseu Dão Lafões resolve seca

Edição de 1 de dezembro de 2017

05-12-2017
 

A chuva finalmente aconteceu, graças à intervenção da CIM. Este órgão gentilmente respondeu às questões do T&T.

TT- Qual a reação às críticas de que acordámos tarde para a seca?
CIM- Não é verdade! Nenhum presidente da Câmara se levanta depois das 7h da manhã.

TT- O que fez a CIM para que chovesse?
CIM- A CIM requisitou uma missão de índios norte americanos para organizar uma dança da chuva. Não pode ser qualquer índio.

TT- Como tiveram esta ideia?
CIM- Foi o Donald Trump que nos enviou uma mensagem no Twitter.

TT- Que custos vai ter para a região?
CIM- Não vai ter custos pois fizemos uma candidatura à CCDR que foi aprovada pelo Tribunal de Contas. Fizemos um concurso público e ganharam os Apaches.

TT- Além dos índios, quem participou na dança?
CIM- Os autarcas, o Presidente da República, os políticos que às carradas visitam Fagilde e o Cardeal Patriarca. Houve bom entrosamento com os índios.

TT- Como é a dança da chuva? Onde se realizou?
CIM- Cada participante grita o canto da chuva e roda em círculos no sentido horário. Tem de ter muito espaço para não dar estaladas aos outros participantes. Fizemos na Albufeira de Fagilde para a água ficar logo lá.

TT- Existem riscos da dança da chuva?
CIM- A dança da chuva é uma coisa muito séria. Se praticada em excesso pode originar cheias e desabamentos de terras.

TT- Como se interrompe a chuva?
CIM- É muito fácil! Se a barragem encher muito e a deitar por fora, os participantes devem cantar de trás para a frente e rodar em sentido contrário.





  • 2002 - 2017 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT