A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

CDS: em Viseu preparam-se alternativas

Legislativas
07-10-2019
 

 

A Distrital do CDS em Viseu está sem líder depois de Hélder Amaral ter anunciado na noite de domingo o abandono face aos resultados que o partido teve nas legislativas. Agora, diz Paulo Duarte, que há dois anos se tinha apresentado como alternativa, é hora de refletir e abrir o CDS a novas figuras.

O resultado não foi bom, não correspondeu às expetativas que tínhamos. Perdemos um deputado que tínhamos há 20 anos. Compreendo que o Hélder Amaral se tenha demitido, teve elevação, fez uma análise correcta dos resultados e assumiu as responsabilidades. Fez a leitura que se impunha fazer que é necessário abrir o partido para outras figuras, para uma renovação”, disse ao Jornal do Centro.

Para o centrista, o CDS tem agora o momento para “repensar o seu projeto e ideias antes de se pensar em quem quer que seja para preconizar o que quer que seja”.

Em 2017 apresentei um projeto alternativo, o que me dá autoridade moral para falar, para dizer algo que já tinha apresentando há dois anos. Mas para já ainda não é o momento indicado”, sustentou.

Já Manuel Marques, autarca do CDS em Nelas, foi mais crítico e lamentou que os resultados espelhem o que “já se esperava em Viseu”, sustentando que o partido reuniu-se poucas vezes e “poucas vezes deu a palavra, nomeadamente aos autarcas”. Acrescentou ainda que, apesar dos convites, não se assume como candidato à Distrital.

No rescaldo da noite eleitoral, e poucas horas depois de se saberem os resultados, o cabeça de lista do CDS-PP pelo distrito de Viseu, Hélder Amaral, decidiu abandonar todos os cargos políticos a nível nacional e distrital.

Hélder Amaral considerou que a sua responsabilidade pelo resultado abaixo das expectativas é igual à de Assunção Cristas, que também abandonou a liderança, e dos restantes colegas de partido não eleitos.

Como tal, a minha decisão só poderia ser esta. Todos aqueles que me conhecem sabem que nunca abandono os meus amigos e acompanho-os nas horas boas e nas mais difíceis”, frisou, justificando assim o abandono dos cargos que ocupava a nível nacional na estrutura do partido e daqueles para os quais foi eleito como representante do CDS-PP no distrito.

No entender de Hélder Amaral, “agora, é hora de repensar o futuro do CDS-PP, mas também de trabalhar para a refundação do espaço do centro-direita em Portugal”.

Apesar de, durante o período oficial de campanha, Assunção Cristas ter apostado em fazer passar a caravana do partido por Viseu, onde Hélder Amaral se recandidatou, o CDS-PP não foi além dos 5,89 por cento dos votos, ficando atrás do BE.








  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT