A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Câmara de Viseu quer inaugurar museu virtual da história da cidade a 18 de maio

Viseu, Câmara, museus
07-02-2019
 

Dezoito exposições em sete museus e mais de 100 atividades à volta da gastronomia, e a inauguração, a 18 de maio, do museu virtual da história da cidade, são as propostas da Câmara de Viseu para este ano, apresentadas na quarta-feira (6 de fevereiro).

“Queremos a 18 de maio inaugurar o museu virtual. Estamos a ser precursores nesta matéria, dentro da lógica das cidades inteligentes”, anunciou o presidente de Câmara.

Almeida Henriques disse que, para já, esta primeira fase do museu será no centro histórico da cidade, mas “há o sonho de um dia ter um espaço, apesar de ainda não estar identificado, mas que seja um espaço emblemático que possa ser um museu fixo também”.

O anúncio foi feito no dia em que a autarquia apresentou o programa de atividades para este ano, em redor da gastronomia, uma vez que é o tema base, escolhido pela autarquia, para 2019.

O Museu Almeida Moreira contemplará uma exposição sobre Maria e Alfredo Keil, “com algumas das obras mais emblemáticas” da família Keil do Amaral, assim como será apresentado, no Museu da Arqueologia José Coelho, “pela primeira vez, achados do centro histórico reunidos pelo arqueólogo viseense João Inês Vaz, entre 1989 e 1991”.

O vereador da Cultura anunciou que o Museu do Quartzo receberá “o seu pai, Galopim de Carvalho, como ‘chef’ e com oficinas de culinária”, num espaço que terá uma exposição com “a relação entre os minerais e múltiplas atividades à volta da gastronomia”.

Jorge Sobrado também falou na ligação entre o Museu do Linho e a terra, “os costumes da terra e a agricultura biológica e rótulos de vinho, nomeadamente do Dão”, tal como na Quinta da Cruz, onde “o ambiente e as tradições de uma agricultura sustentável e os bons hábitos alimentares” vão estar em destaque.

Na Casa da Ribeira há “indumentárias da mesa e da gastronomia da Beira Alta e de louça usada por povos que já habitaram esta cidade e região e que fazem parte da história” de Viseu, anunciou Jorge Sobrado, que resumiu que, em 2019, “são mais de uma centena de atividades, com 18 exposições temporárias em sete museus municipais”.

“O número de visitantes aos museus municipais confirma o potencial de Viseu enquanto cidade e destino de cultura e confirmam também o potencial patrimonial e artístico criativo da cidade”, justificou o vereador, que falou num “crescimento superior a 23% no número de visitantes nos museus municipais” em 2018, face a 2017.

O vereador da Cultura destacou também outras casas que “tinham uma ‘performance’ menos expressiva” e que em 2018 “tiveram um aumento expressivo de visitantes”, como é o caso da exposição arqueológica José Coelho que “aumentou 50% o número de visitantes”, assim como a Quinta da Cruz, que registou “um salto de tigre no número de visitas, em mais de 30%”.

“Novas exposições, algumas inéditas, e o serviço educativo com atividades programadas para os mais novos” foram alguns dos segredos para este aumento de idas aos museus municipais de Viseu.

“Temos uma programação bastante forte, muito boa, para este ano e o objetivo é bater ou aumentar o número de visitantes do ano passado e verificar que cada vez mais pessoas frequentam os nossos espaços e que eles funcionam bem”, rematou Almeida Henriques.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT