A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

António Albino: “O Académico vai até às últimas consequências”

Académico de Viseu, António Albino, subida, decisão
13-06-2018
 

“O Académico vai até às últimas consequências”. A afirmação é de António Albino, o presidente do clube de Viseu que não abdica do sonho da subida à Primeira Liga depois da decisão conhecida na terça-feira (12 de junho) do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) em multar o Santa Clara pelo não-cumprimento dos regulamentos nos jogadores abaixo dos sub-23.

Ao Jornal do Centro, António Albino assegura que o emblema do Fontelo vai recorrer da decisão e constituir-se como assistente do processo ao lado do União da Madeira. O dirigente academista começa a dizer que quer “alertar aos sócios que estamos empenhados em levar as consequências disto tudo até ao limite”.

“Há mais situações em que a gente pode recorrer e é isso que vamos fazer”, garante o presidente do Académico sobre a constituição do clube como assistente num processo que, prevê, ainda vai demorar “muito tempo”.

António Albino reage assim à decisão da FPF em multar os açorianos do Santa Clara em 6.210 euros por sete infrações e não em retirar pontos à equipa. Perante este cenário, o emblema insular sobe à primeira divisão do futebol nacional enquanto o Académico permanece na Segunda Liga. Os viseenses têm agora cinco dias para recorrer.

Já o presidente do União da Madeira, Filipe Silva, também reagiu à posição da entidade, dizendo que a tomada do Conselho de Disciplina é uma “decisão indigna e ridícula”. Os madeirenses vão-se juntar ao Académico com uma ação conjunta para recorrer da medida, estando mesmo em cima da mesa um recurso para o Tribunal Arbitral do Desporto.

Decisão injusta mas sem surpresas
Já João Bento, comentador desportivo da Rádio Jornal do Centro, diz que esta foi uma decisão injusta mas que “era expetável”.

“Estamos no futebol português. Portanto, tudo isto soaria a muito estranho se assim não fosse. Até acreditei mais pela saída do União da Madeira mas não pela subida do Académico. É uma decisão que penaliza imenso o nosso futebol, porque há provas e foi provado que há aqui uma questão de dolo do Santa Clara, que premeditadamente agiu contra os regulamentos, mas é entendido que isso não é sinónimo de benefício direto”, lamenta.

Por isso, João Bento defende que agora não resta outra alternativa ao Académico, a não ser preparar uma equipa que esteja disposta a lutar pela ascensão à Primeira Liga mas pela via desportiva. O comentador acredita que isso já estava a ser pensado pelo clube.

“Por aquilo o que é conhecido, pelas contratações feitas, acredito que o Académico estava a preparar-se para disputar na Segunda Liga. Como achávamos que era expetável este cenário [da decisão da subida], as pessoas que estão à frente já estavam a agir em conformidade porque é um murro no estômago”, sustenta, acrescentando que a conquista do escalão principal irá obrigar aos academistas “a mais uma época muito desgastante e a um menor esforço financeiro que pode levar ou não à tão chegada para o patamar maior do futebol”.





  • 2002 - 2018 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT