A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Amianto preocupa pais e alunos de escola básica de Tondela

Tondela, escola básica, amianto, problema
 

Vítor Figueiredo

Presidente da Associação de Pais da Escola Básica dos 1.º e 2.º Ciclos de Tondela


 

Vítor Figueiredo revela que os pais já estão a aderir a um abaixo-assinado para alertar a tutela sobre o problema


06-12-2018
 

A cobertura de amianto na Escola Básica dos 1.º e 2.º Ciclos de Tondela está a preocupar a comunidade escolar, incluindo pais e alunos.

A situação já se arrasta há vários anos, sendo que a direção da escola nunca recebeu nenhuma resposta por parte da tutela. Ao Jornal do Centro, o presidente da Associação de Pais, Vítor Figueiredo, não esconde o receio pelo facto de ainda existir amianto no estabelecimento e revela que este problema tem agravado nos últimos dias.

“Sendo de amianto, é preocupante, mas acaba por ser mais nesta situação concreta porque a cobertura está com fissuras graves e deixa entrar muita água. Por exemplo, quando chove intensamente, a biblioteca e algumas salas têm de fechar as portas. Com estas fissuras todas, o amianto pode levar a que haja emissão de gases, que é um problema para as crianças. É muito mais propício com estas fissuras e a permutação da chuva”, explica.

A Associação de Pais tem alertado para o caso há cinco anos. Vítor Figueiredo relata que, em 2013, foi enviada uma carta sobre o problema ao Ministério da Educação e à Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE), à qual não obteve resposta.

“Em 2016 voltámos a enviar um novo ofício com as mesmas indicações. Também não obtivemos resposta”, acrescenta. Agora, os representantes dos alunos já estão a recolher assinaturas para mais uma nova carta. Vítor Figueiredo diz que muitos pais não sabiam do problema e foram informados pela Associação. Ouvidos, aderiram à campanha.

“Neste momento, estão a aperceber-se da realidade da situação. Paramos com a recolha das assinaturas em meados de dezembro e iremos enviar novamente a documentação para o Ministério da Educação e a DGEstE”, afirma. O abaixo-assinado já conta com 700 assinaturas.

O presidente da Associação dos Pais, que espera alcançar as 1.000 assinaturas, não esconde ainda a possibilidade de enviar cartas aos grupos parlamentares da Assembleia da República e à associação ambientalista Quercus, a alertar para o problema do amianto.

O Jornal do Centro sabe que a DGEstE garantiu à direção do Agrupamento de Escolas Cândido de Figueiredo que a Escola Básica está no topo das prioridades para a substituição da cobertura, mas não adiantou datas para a intervenção.





  • 2002 - 2018 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT