A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Autocarro bateu em carros e só parou na montra de um talho (atualizada)

02-04-2019
 

Um dos novos autocarros do MUV, sistema de transportes urbanos de Viseu, que entrou esta terça-feira (2 de abril) em funcionamento, colidiu esta manhã com carros e um talho, na Avenida Dr. António José de Almeida. O despiste ocorreu às 09h39, segundo informações do Comando Distrital de Operações de Socorro de Viseu.

A viatura dirigia-se da central de camionagem para o Rossio quando embateu em duas viaturas estacionadas no lado direito da via. Despistou-se e foi chocar com outros três carros estacionados do lado esquerdo, parando apenas na montra de um talho. O acidente, que poderia ter tido consequências mais graves, assumiram as autoridades no local, acabou por fazer apenas três feridos ligeiros, entre eles o motorista. O trânsito no centro da cidade esteve cortado durante a manhã, enquanto se procediam às peritagens.

No local, várias testemunhas explicaram que aconteceu tudo de repente. Ao que parece, antes de sair da central de camionagem, o motorista esteve envolvido numa "altercação" com outro colega. "Deveria vir nervoso", contou uma fonte ao Jornal do Centro que não se quis identificar. 

Durante a amanhã, vários motoristas estiveram reunidos na central antes de entrar ao serviço. Segundo Hélder Borges, da delegação de Viseu do Sindicato de Transportes Rodoviários e Urbanos, há um "grande descontentamento" entre os trabalhadores.

"Já prevíamos que isto viesse a acontecer, porque a empresa distribuiu ontem à tarde [segunda-feira, dia 1] a todos os trabalhadores as alterações dos horários e não os preparou para isto. Hoje de manhã, a intenção seria parar, mas como não havia pré-aviso de greve, eles reconheceram que deviam trabalhar mas andavam altamente perturbados”, lamenta o sindicalista. Hélder Borges acrescenta que a troca de horários levou mesmo a conflitos entre os próprios motoristas e prevê que, caso não seja melhorada a situação, mais acidentes possam acontecer.

Já o presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, desvaloriza osucedido. “É um acidente que pode acontecer em qualquer momento. Não é nada extraordinário”, diz, no final da viagem inaugural que fez e que marcou, simbolicamente, a entrada em funcionamento do MUV. Uma viagem que ficou também marcada pelas queixas de utentes que protestaram contra os horários e atrasos.

 

 

 





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT