A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Correios negam falta de resposta a reunião urgente pedida pela CIM Douro

CTT, encerramentos
11-10-2018
 

Os CTT informaram esta quinta-feira (11 outubro) que a reunião urgente pedida pela Comunidade Intermunicipal do Douro não foi agendada devido à ausência, no estrangeiro, do presidente da CIM Douro que negou ter sido contactado pela empresa.

A CIM Douro, que agrega 19 municípios, informou que a providência cautelar de intimação, entregue no Tribunal Administrativo de Mirandela, surge da “ausência de resposta” dos CTT ao pedido de reunião urgente e à “continuada intenção de proceder à extinção de estações de Correio, transformando-as em meros postos com serviços contratualizados”.

Em reação, fonte oficial dos CTT negou uma “ausência de resposta” ao pedido de reunião urgente da CIM Douro.

E referiu que, na segunda-feira, foi feita uma tentativa de marcação de reunião com o presidente da CIM Douro, tendo sido a administração informada de que o autarca estaria ausente no estrangeiro e para voltar ao contacto a 15 de outubro para agendamento.

Por sua vez, o presidente da CIM Douro e da Câmara de Sernancelhe, Carlos Silva Santiago, negou ter havido qualquer contacto por parte dos Correios.

Contactada pela Lusa, a fonte dos CTT recusou, para já, comentar a providência cautelar.

Os Correios afirmaram que “têm vindo a reforçar os pontos de acesso por todo o país, garantindo que as necessidades dos clientes estão asseguradas, existindo atualmente mais pontos de acesso do que no final de 2014, ano de privatização”.

“Os CTT estão permanentemente a analisar os fluxos de procura e evoluem para as situações mais adequadas tendo em conta a conveniência, as necessidades dos serviços, a disponibilidade horária e outros critérios relevantes, sempre em articulação com as autoridades locais”, salientou a fonte.

De acordo com a CIM Douro, a administração dos CTT tem manifestado vontade de encerrar os balcões institucionais em algumas sedes destes concelhos durienses. É o caso de, por exemplo, Mesão Frio, Murça ou Tabuaço.

Com a providência cautelar de intimação, a CIM pretende que a administração dos CTT “se abstenha de adotar qualquer conduta, ativa ou omissiva, que tenha por efeito prático a redução do horário de funcionamento, a extinção de estações ou a transformação ou substituição das estações por postos de Correio”.

Quer ainda que se “abstenha de conduzir qualquer reorganização dos serviços que presta à comunidade sem que a CIM Douro seja previamente consultada".

Os municípios durienses consideram que o fecho dos balcões institucionais se traduz na “redução de serviços prestados à população, impossibilitando-a de usufruir de um serviço postal de qualidade, constituindo uma violação clara e manifesta da lei, das bases da concessão do contrato de concessão e das deliberações do regulador".





  • 2002 - 2018 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT