A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Entraram 788 novos alunos no IPV

09-09-2019
 

788 alunos entraram no Instituto Politécnico de Viseu (IPV) na primeira fase do concurso de acesso ao ensino superior. O número foi divulgado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e representa cerca de 60 por cento das colocações relativamnete ao número de vagas disponíveis que eram de 1.314.

Estas novas colocações representam uma ligeira descida face aos dados de 2018, onde o IPV recebeu 800 novos alunos.

À semelhança do ano passado, o curso de Enfermagem na Escola Superior de Saúde de Viseu foi o mais preenchido. Esta licenciatura viu as suas 86 vagas ficaram totalmente preenchidas.

O mesmo aconteceu este ano com os cursos de Gestão de Empresas na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (72 colocações), Publicidade e Relações Públicas na Escola Superior de Educação (68 colocações), Engenharia Informática na ESTGV (67 colocações) e Comunicação Social na ESEV (64 colocações).

As licenciaturas que tiveram menos colocações foram as de Engenharia Alimentar na Escola Superior Agrária de Viseu (duas em 25 vagas), Serviço Social em regime pós-laboral na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (uma colocação em 27 vagas), Ciência e Tecnologia Animal na Escola Superior Agrária de Viseu (uma colocação em 25 vagas) e Engenharia Agronómica na ESAV (uma colocação em 24 vagas).

O curso de Engenharia Civil na ESTGV é o que mais se destaca pela negativa, por não ter registado nenhuma colocação em 44 vagas.

Para a segunda fase de acesso, sobraram 531 vagas.

Fonte do IPV refere ao Jornal do Centro que o valor discrepante entre as vagas, os colocados e as vagas sobrantes "radica no facto de em cinco cursos terem entrado mais alunos do que as vagas disponíveis, mais concretamente com alunos com notas iguais".

As notas do último colocado

As notas do último colocado mais altas no contingente geral foram registadas nos cursos de Educação Básica na ESEV (139,4 valores), Engenharia Eletrotécnica na ESTGV (134,4 valores), Enfermagem na ESSV (130,8 valores), Engenharia Mecânica na ESTGV (130,1 valores) e Serviço Social em regime pós-laboral na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (128,3 valores).

As piores notas pertencem aos cursos de Gestão de Empresas em regime pós-laboral na ESTGV (105,5 valores), de Secretariado de Administração na ESTGL (105,0 valores), de Gestão Turística, Cultural e Patrimonial na mesma escola de Lamego (104,2 valores), de Gestão Industrial na ESTGV (103,7 valores) e Educação Social na ESEV (102,0 valores).

A nível nacional, há 44.500 novos estudantes no ensino superior. Segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, houve um aumento de 1,2 por cento no número de alunos colocados. Mais de metade dos estudantes conseguiu entrar na primeira fase (53,1 por cento).

A segunda fase de acesso arranca esta segunda-feira (9 de setembro) e decorre até ao dia 20. Os resultados serão divulgados no dia 26.

Reações

Os resultados do concurso de acesso ao ensino superior são positivos para os politécnicos e revelam já “claramente os efeitos” da política de reajuste de vagas em benefício das instituições no interior, defendeu o conselho coordenador destes institutos.

Em declarações à Lusa, em reação aos resultados da primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, hoje divulgados, o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), Pedro Dominguinhos, defendeu que os resultados são já visíveis quer nos alunos nacionais, quer nos internacionais.

“Já se notam claramente esses efeitos, com mais colocados no ensino superior. Dissemos que algumas coisas têm de ser feitas nesse sentido. Dissemos em primeiro lugar que as bolsas do [programa] +Superior deviam ser disponibilizadas aquando do concurso nacional de acesso - e já o são - e acho que isso foi positivo. Este ano até houve um aumento relevante do valor dessas bolsas, que acho também que é extremamente positivo. Nota-se esse efeito de mais estudantes nas instituições do ensino superior, que tem um efeito mais expressivo no número de colocados de estudantes internacionais”, disse.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT