A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Oncologia do Hospital de Viseu em rutura

 

Carlos Cortes

Ordem dos Médicos


 

Carlos Cortes exige uma resposta do Governo


 

Noel Carrilho

Sindicato dos Médicos da Zona Centro


 

Noel Carrilho contabiliza o número de doentes com cancro tratados no Hospital de Viseu


11-06-2019
 

O serviço de oncologia do Hospital de Viseu está em rutura e não tem capacidade de atender doentes novos. A cirurgia oncológica na instituição está em risco.

A denúncia é feita pela Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos e por dois sindicatos da classe.

Carlos Cortes, da Ordem dos Médicos, diz ao Jornal do Centro que a situação no hospital é grave, porque saíram dois dos três clínicos ao serviço e o único profissional a trabalhar não consegue atender todos os doentes.

“Um único oncologista é absolutamente incapaz de dar resposta a todas as situações que merecem ser vistas e ter tratamento. Isto cria uma situação muito complicada, nomeadamente na parte da cirurgia, porque ela acaba por não poder fazer o trabalho que pode fazer e os doentes não têm depois a necessária continuidade dos tratamentos”, alerta.

Segundo Carlos Cortes, estão em causa consultas e tratamentos a centenas de pacientes. A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos reclama uma resposta urgente do Governo.

“Queremos que o Ministério da Saúde crie imediatamente todas as condições para poder colocar oncologistas no hospital e não obrigar os doentes oncológicos a terem de se deslocar centenas de quilómetros para poderem ser tratados”, remata.

Já Noel Carrilho, presidente do Sindicato dos Médicos da Zona Centro, acrescenta que os profissionais já tinham alertado há muito para este problema.

“Para nós, a situação é incompreensível. Sabendo que, à luz das mais recentes normas institucionais, é necessário que os doentes sejam acompanhados numa vertente multidisciplinar e que deve haver um tratamento integrado para estes pacientes, os cirurgiões não irão fazer cirurgia oncológica enquanto não forem cumpridos estes pressupostos”, explica.

O sindicalista recorda ainda o número de doentes com cancro tratados no Hospital de Viseu.

“Operamos, pelo menos, 350 doentes do foro oncológico-digestivo por ano. Temos ainda 150 doentes de cancro da mama e mais umas dezenas das patologias oncológicas dos foros ginecológico e orológico. Estamos a falar de centenas de doentes que este hospital trata e estes são novos pacientes todos os anos”, conclui Noel Carrilho.

Em resposta escrita ao Jornal do Centro, o Conselho de Administração do Centro Hospitalar Tondela-Viseu garante que tem vindo a ponderar, e a executar, medidas com vista a ultrapassar a carência de profissionais da área da oncologia, minimizando eventuais transtornos para os doentes.

A administração realça a contratação recente de um especialista em regime de prestação de serviços e a continuidade da colaboração de uma médica oncologista até final do ano, que depois poderá vir a ser contratada. Além disso, tem aberto concurso para um médico especialista na área.

O Hospital de Viseu diz ainda que tem vindo a tentar estabelecer parceiras com o IPO de Coimbra e com o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro ao nível dos recursos humanos.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT