A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

Almeida Henriques: "Estou disponível para apurar a verdade"

Conversa Central, Almeida Henriques
 

Conversa Central com Almeida Henriques

Programa completo


03-11-2019
 

No dia em que estamos a gravar, segunda-feira, 28 de outubro, chega a informação que do processo Éter foi retirada uma certidão em que está indiciado dos crimes de prevaricação e alegadas ilegalidades num processo de concurso de recursos humanos na Câmara de Viseu. Já foi informado? Já foi constituído arguido?

Não. A primeira grande conclusão que é preciso retirar é a de que não tenho nada a ver com o processo Éter. Se há outras questões para clarificar cá estarei e acima de tudo para o apuramento da verdade.

Lançou esta semana o Fórum Viseu 2030. Uma data que vai muito para além do limite que a lei lhe permite ficar como presidente do município (2023). Qual é a ideia?

Estamos habituados, mas de forma errada, que a estratégia do país seja pensada segundo os ciclos autárquicos. Sei perfeitamente que só poderei estar como presidente da Câmara, no limite, mais seis anos, mas a autarquia tem a responsabilidade de refletir e pensar mais além sobre o futuro da cidade, concelho e região.

Assinou esta semana um contrato de instalação em Viseu da Fujitsu. O que vai trazer esta empresa?

Uns falam e nós fazemos. É a 18ª empresa tecnológica que se instala em Viseu. A Fujitsu vai criar na fase inicial 30 postos de trabalho, mas quer crescer em Viseu.

O orçamento participativo vai na quarta edição. Satisfeito?

É a melhor forma de participação dos cidadãos. A maioria dos projetos das primeiras três edições está concluída.

Quando era presidente da Assembleia Municipal, votava contra os orçamentos participativos. Andava enganado?

Isso são questões de mercearia de que o Figueiredo gosta muito mas eu não alinho nisso…

É uma realidade…

Eu sou presidente de Câmara agora e é agora que respondo pelas propostas que apresento aos munícipes.

Como olha para o novo Governo?

Ninguém explicou o aumento de ministros e secretários de Estado. É um sinal errado…

E a escolha da nova ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, antiga presidente da CCDR Centro?

A professora Ana Abrunhosa conhece bem estas questões da coesão…

E fica preocupado com o futuro da CCDR Centro?

Espero que se encontre uma pessoa à altura…

Falou-se do antigo presidente da Câmara de Mangualde e agora deputado do PS, João Azevedo, para presidente da CCDRC…

Estarei sempre contra a escolha de uma figura em que se corra o risco de partidarização da CCDRC.

Ana Abrunhosa, quando foi para a CCDRC já tinha sido candidata do PSD a uma autarquia…

Mas não foi presidente de Câmara e diretora de campanha do PS nas eleições…

Não aprova a eventual indicação de João Azevedo para presidente da CCDR?

Não me agrada. Embora tenha amizade por ele penso que não tem condições para o cargo. Não daria garantias de isenção no desempenho da função.

Outros temas abordados na Conversa Central: os investimentos captados; as sobreposições na orgânica do Governo; a crítica a Rui Rio e o apoio a Luís Montenegro; a saída para a reforma do engenheiro Pais de Sousa, responsável pelo urbanismo na CMV; a crise na Catalunha e a decisão da justiça de condenar pensamentos políticos.





  • 2002 - 2019 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT