A OUVIR 98.9 FM
           00:00:00 | 00:00:00        
      
  
 
        

"O silêncio do PSD sobre Almeida Henriques pode ser uma questão de estratégia"

Conversa Central, Fernando Ruas
 

Conversa Central com Fernando Ruas

Programa completo


12-01-2020
 

Três semanas depois das notícias sobre a investigação de que está a ser alvo o presidente da Câmara de Viseu ainda não se ouviu uma palavra de apoio por parte do PSD ao autarca e antigo secretário de Estado. É normal?

Quero retificar o que foi dito na anterior Conversa Central pelo antigo deputado do PS, José Junqueiro, quando diz que foi o único que veio dizer que é preciso ter em conta a presunção da inocência. Eu também disse isso. Pela minha parte espero, sinceramente, que o presidente da Câmara de Viseu seja ilibado de todas as acusações. Quem é do mesmo partido, naturalmente vive estes momentos com alguma ansiedade para saber quais são os resultados finais. Isso acontece em Viseu, acontecerá de certeza em Tondela e noutros locais e partidos onde existam situações idênticas.

Em Tondela, a Comissão Política Concelhia do PSD veio a público declarar apoio “institucional” aos autarcas acusados. Em Viseu não há uma palavra ou um comunicado do PSD...

Não faço parte dos órgãos dirigentes do partido. Não sei se não o irá ainda fazer…

Já o devia ter feito?

Sabe-se da grande proximidade, não sei se ainda existe, entre o presidente do PSD de Viseu (Joaquim Seixas, antigo vice-presidente da Câmara de Viseu) e Almeida Henriques, presidente da autarquia... talvez já tenham falado sobre isso. O silêncio pode ser até uma questão de estratégia.

Se fosse consigo não gostaria que o partido (PSD) saísse em sua defesa?

Claro que gostaria e penso que o partido faz a defesa dos seus militantes. Também toda a gente percebe que se têm de arranjar alturas adequadas para o fazer. Sem querer tomar parte, de certeza que a Comissão Política Concelhia do PSD Viseu vai tomar posição sobre isto.

Esta situação deve levar o PSD a refletir desde já sobre quem vai ser o candidato à Câmara de Viseu em 2021?

Era o que faltava. Por enquanto só existe uma acusação que, para já, não teve nenhuma consequência. O que há é uma investigação. A situação pode piorar, em qualquer altura, mas também pode normalizar. É avisado aguardar pelo desenvolvimento das situações. Mal de nós se tivéssemos que tomar esse tipo de posições de cada vez que se acusa um autarca. Eu também vivi isso. Acusações fazem-se com frequência e às vezes sem o mínimo de razão. Há que deixar concluir o processo e depois, sim, tomar posições e posições firmes naturalmente. 

Tem sido abordado por militantes do PSD sobre esta situação?

Isso acontece desde sempre. Quando estava na Câmara e depois de sair. É natural que me abordem sobre vários assuntos e não apenas sobre isso.

Outros assuntos abordados na Conversa Central: os desafios do PSD para 2020; o Orçamento do Estado para 2020 e as propostas que os deputados do PSD eleitos por Viseu vão fazer; o embuste do Ministério da Coesão Territorial; a crise criada pelo ataque do EUA a dirigentes do Irão.

 





  • 2002 - 2020 - Jornal do Centro é uma marca registada da Legenda Transparente, lda
  • Desenvolvido por: WLC.PT