Autor

Joaquim Alexandre Rodrigues

02 de 04 de 2021, 18:26

Colunistas

Undízimo

Para Lisboa tudo, tudo, tudo. Para o interior...

Imagem

Merece toda a compreensão do mundo o tom satisfeito, quase jubilatório, com que o município de Viseu noticiou esta semana que “já pode avançar” a muito prometida “requalificação da estrada que liga Viseu ao Sátão”. O comunicado da autarquia suspira de emoção a descrever este “sonho antigo que obrigou a três longos anos de negociações”.
Alguns detalhes mais prosaicos:
— a Infraestruturas de Portugal vai empochar 1 milhão e 150 mil euros que exigiu à câmara de Viseu;
— a IP vai esmifrar os 250 mil euros que impôs à câmara do Sátão;
— ao todo, há um “investimento previsto de cerca de 12,3 milhões de euros”.


Durante a primeira geringonça, a câmara de Lisboa comprou à segurança social uns prédios abaixo do preço do mercado, numa operação imobiliária que foi explicada nestes termos por uma auditoria do Tribunal de Contas: “as condições” foram “vantajosas para o Município, em detrimento da receita e da sustentabilidade do orçamento da segurança social”. Trocando por miúdos: houve uma espécie de subsídio do então ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, a Fernando Medina.
Depois dos prédios municipalizados, passou-se à fase seguinte — fazer neles apartamentos de “renda acessível”. A câmara alfacinha está a fazer isso. E à grande e à francesa. Perdão, à grande e à lisboeta. Cada um daqueles apartamentos “sociais” vai derreter mais de 400 mil euros em obras.
Nenhum problema para a câmara da capital do reino. Primeiro, usufruiu da generosidade da segurança social. Agora vai ter as obras pagas a 100% pela “bazuca” europeia.


Resumindo e concluindo:
— para obras em casinhas “sociais” de 400 mil euros em Lisboa — onde vão viver uns poucos felizardos —, o ministro das Infraestruturas e da Habitação dá tudo, tudo, tudo;
— já para o melhoramento da estrada Viseu-Sátão — que atravessa terras pobres do interior e é utilizada diariamente por milhares e milhares de pessoas —, o bispo Pedro Nuno Santos, da Igreja Universal do Governo de Portugal, não dispensa o dízimo.
Feitas bem as contas, é mais do que um dízimo, é um undízimo — as duas câmaras são obrigadas a custear 11% da empreitada.

Mais Notícias

16 de 04 de 2021, 21:39

É importante avaliar o seu pacemaker

Em Portugal, por ano, e de acordo com o Registo Nacional de Pacing Cardíaco, são implantados cerca de 1000 dispositivos de modulação da atividade elétrica cardíaca por milhão de habitante