Autor

Joaquim Alexandre Rodrigues

25 de 05 de 2024, 09:03

Colunistas

Magnífico resultado

Artigo publicado na edição impressa do Jornal do Centro de 24 de maio

1. Já passou a floração máxima dos loendros, mas ainda vale a pena ir admirá-los à Reserva Botânica de Cambarinho, em Vouzela.
Os choupos, esses eucaliptos urbanos que infestam os nossos bairros, ainda não largaram todo o algodão que há-de invadir as casas e embranquecer os relvados.
As tílias ainda não cheiram a tília. O preço das cerejas continua só ao alcance dos residentes não habituais que vieram dos países nórdicos, com as suas pensões nórdicas, gozar o nosso clima e o carinho com que o nosso fisco os trata.

2. A AD apresentou uma proposta de diminuição do IRS da nossa classe média que também é muito nórdica: paga impostos como vivesse no norte da Europa e tem serviços públicos como vivesse no norte de África (obrigado por esta síntese, Ricardo Araújo Pereira).
Vai sendo tempo de um sim-ou-sopas. A santa aliança do PS com o Chega vai continuar a empaliar o assunto?

3. O governo “decidiu” um aeroporto novo, uma terceira ponte sobre o Tejo, obras no actual aeroporto e mais umas ligações para o TGV.
Desde que seja em Lisboa, a obra pública já é de novo “fashion”. Ninguém pergunta quanto custa. Todos os partidos batem palmas. Até José “Prescrito” Sócrates palmas bate.
Ouvi o ministro Pinto Luz com atenção e fiquei com uma certeza: o governo não está com pressa nenhuma em fazer um novo aeroporto. O sr. José Luís Arnaut, da ANA/Vinci, concessionário do Aeroporto Humberto Delgado, pode estar descansado. Tem ali rendas para mais década e meia. Pelo menos.

4. Na anterior legislatura, no poder, António Costa e o seu “ideólogo” Augusto Santos Silva usaram as guerras culturais com André Ventura para o promoverem e dificultarem a vida ao PSD. Esta estratégia “à-la-Miterrand” deu o magnífico resultado que se sabe: o Chega alcançou 50 deputados e Montenegro a cadeira de primeiro-ministro.
Na actual legislatura, na oposição, Pedro Nuno Santos e a sua “ideóloga” Alexandra Leitão, à estratégia “miterrandista” dos seus antecessores, acrescentaram uma conversa woke igual à do bloco de esquerda e votações ao lado do Chega. O resultado vai continuar magnífico.